sexta-feira, 15 de agosto de 2014

ENDURrun 2014 - Etapa 5 - 25.6 km Corta-mato de montanha

Dureza em estado puro! 
É aquilo que se pode dizer destes 25.6 km de corta-mato em montanha. A prova é composta por um total de 5 voltas cada uma com uma extensão de 5.12 km. A volta começa com uma subida gradual durante cerca de 1 km em terra batida e com muitas pedras soltas. Segue-se depois uma pequena seção de trail muito técnico com descidas muito inclinadas e constantes curvas com pouco espaço de manobra, naturalmente que nesta seção é um constante sobe e desce, com uma última subida curta mas dura que nos leva a uma descida de aproximadamente 300 metros quase a pique de modo a enfrentar o “monstro” que todos temem. Esse “monstro” é basicamente uma colina com cerca de 400 a 500 metros que é usada como pista de ski. Só daqui se pode ver qual a inclinação da mesma. 
Parte do "monstro" que tínhamos de ultrapassar por 5 vezes
Depois de ultrapassada esta parte novo percurso de trail ainda mais técnico as subidas são ligeiramente mais complicadas mas com algumas zonas onde é possível arriscar um pouco mais para tentar ganhar tempo. Em seguida nova descida a pique de cerca de 250 metros para última entrada num sector de trail que é usado como pista de btt, o que dá direito rampas de madeira usada para as bicicletas. O problema é que estas eram bastante instáveis e muito estreitas, o que com as constantes sequências de curvas não ajudava muito. Após este último segmento mais 250 metros a voar até à meta e depois “bastava” repetir mais 4 vezes.

Ontem fiz uma corrida ligeira para soltar os músculos a que se seguiu um banho de gelo durante cerca de 15 minutos e depois foi alongar e 2 horas de massagem para recuperar das primeiras 4 etapas.
Antes da prova fiz o habitual ligeiro aquecimento e apesar de já me ter sentido melhor noutros dias antes da prova confesso que não esperava responder tão bem à dureza da mesma. Sabia que hoje teria de ser um dia para forçar de modo não perder muito tempo para os atletas da frente e se possível ganhar algum para os que estavam atrás de mim.

Após o início da corrida, com uma temperatura fresquinha para a altura do ano, rapidamente 2 atletas fugiram (o Patrick que rebentou com a concorrência e ganhou com enorme vantagem e o Matthew que é aquele que tem maiores possibilidade de ganhar esta prova pela qualidade que tem vindo a demonstrar ao longo dos dias). Ficámos apenas 6 atletas (eu, Chris, Stefan, Rick e mais 2 da estafeta). Não tardou muito a que o ficasse apenas eu, o Chris e o Stefan seguidos de perto pelas equipas da estafeta. Até à 4ª volta não houve muita história, fomos alternando a liderança do grupo (eu a puxar na subida grande e no percurso de trail com mais curvas e subidas) e o Stefan a puxar na subida inicial e a fazer as descidas todas. Os últimos 20 metros do “monstro” eram sempre feitos a andar rápido pois era mais eficiente fazê-lo assim do que a correr devido à inclinação final.

Na subida mais difícil da 4ª volta houve um ataque do Stefan a que não tive pernas para responder e optei por seguir no meu ritmo seguido pelo Chris. Tentei depois recuperar o ligeiro atrasado para o Stefan arriscando mais no percurso de trail. Numa subida final da penúltima secção de trail acabei por sofrer uma queda que me fez perder algum ritmo e que senti dificuldade em retomar o andamento. Acabou por aproveitar o Chris que depois de me ajudar a levantar acabou por seguir e eu decidi continuar no meu ritmo.

Na última volta foi dar o tudo por tudo para tentar recuperar os segundos de diferença mas fazer as subidas e os percursos mais técnicos sozinhos foi bem mais difícil do que acompanhado. Nesta altura só me lembrava da única prova de trail que tinha feito até ao momento e daí até ao fim foi arriscar ao máximo nas subidas e tentar fazer as subidas e curva e contra-curvas do modo mais eficiente possível (se bem que a minha destreza não permitisse grandes variações de ritmo especialmente nas curvas mais apertadas). Ainda tive tempo de tropeçar mais uma vez no mesmo sítio onde tinha caído, mas desta vez sem consequências de maior.

No final acabei por perder um pouco mais de 1 minuto para o Stefan e para o Chris, o que não foi mau tendo em conta todas as incidências.

Acabei os 25.85 km em 02:11:00, o que perfaz um ritmo de 5:04 / km e que comparativamente com o ano passado dava vitória por mais de 7 minutos! Claramente que devia ter feito isto o ano passado J
Perfil da etapa
As 5 voltas do percurso foram feitas parciais de 26:02, 26:12, 26:14, 25:45 e 25:32, mostrando que mesmo com a queda foi possível forçar um pouco o ritmo e fazer uma segunda metade da prova mais rápida que a primeira, algo que para mim não é muito comum. Mais detalhes sobre a prova podem ser encontrados aqui (http://connect.garmin.com/modern/activity/565754536) ou aqui (http://www.strava.com/activities/180693126).

Além do cansaço físico hoje houve também muito cansaço mental pois era necessário estar sempre atento ao percurso para não colocar os pés em nenhum sítio que pudesse resultar em algum precalço. É possível que isso tenha ajudado na minha queda e do tropeção dado na última volta, mas de resto senti-me bastante bem.

Hoje tive o privilégio de houver apoio em Português o que me soube muito bem J

Após uma massagem pós-corrida para recuperar um pouco do esforço, seguiu-se a parte do banquete de doces e de alguns hidratos de carbono, fundamentais depois do esforço de hoje. Mais uma vez a comida preparada pelos voluntários estava um mimo.

Hoje temos um barbecue oferecido por um casal de participantes onde iremos aproveitar para confraternizar mais um pouco, tal como ocorre depois de todas as corridas.

Amanhã tem lugar o contra-relógio de 10 km onde serei o 5º da contar do fim a partir em virtude de ter subido a 5º lugar na geral. Ainda não pensei como será a minha estratégia para amanhã pois no Domingo temos a maratona.

Obrigado novamente a todos que me têm dado apoio ao longo desta aventura!


João

8 comentários:

  1. Bolas pela tua descrição (e ritmo de prova) devia ser uma coisa mesmo horrível. Agora é recuperar, o final está quase ai!

    Força! Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que grande prova e que prestações magnificas tem feito!
      E os relatos são excelentes.
      Estou aqui a fazer toda a força do mundo para o contra-relógio de amanhã!
      Um abraço.

      Eliminar
    2. Foi mesmo duro hoje Vitor.
      Mas verdade seja dita que já sofri mais em outras provas :)

      Abraço e obrigado

      Eliminar
    3. Muito obrigado pelas palavras e pelo apoio Jorge!

      Grande abraço.

      Eliminar
  2. Ehhh paahh..mais uma grande prova e 5º lugar na geral. Parabéns!!! Os teus relatos entusiasmam-me e fazem-me ficar ansioso por saber do próximo capitulo...quer-me parecer que a Maratona no fim vai fazer toda a diferença. Força para amanhã!!
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, terá de ser a maratona a decidir e aí sou eu que parto em clara desvantagem para os restantes.
      Amanhã penso que serão tempos assim para o lento.

      Abraço

      Eliminar
  3. Subir uma pista de descida de ski... E várias vezes!!!
    Mais uma espectacular prova, na continuação da prestação magnifica. E realmente, se fosse no ano passado, lideravas a anos luz!

    Muita força para a etapa 6!

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, quando cheguei ao local e vi o que tinha de subir até me deu um arrepio. E durante a subida em cima dão muito mais coisas que arrepios, mas já está ultrapassada e agora é atacar o resto da prova.

      Abraço

      Eliminar